Determinado a realizar seu maior sonho, o premiado diretor de fotografia Sylvestre Campe aprende a voar de paramotor com o campeão mundial da categoria, o britânico Dean Eldridge, para seguir em uma viagem pelo mundo. Seu objetivo: registrar imagens aéreas espetaculares. Paisagens diversificadas e todos os obstáculos enfrentados por Sylvestre fazem parte da série que irá mostrar em 13 episódios as belezas do mundo sob sua perspectiva. Entre os lugares explorados estão França, Inglaterra, Espanha, Turquia, Dubai, Austrália e Brasil. “Aéreas”, onde além de protagonista Sylvestre Campe é também o diretor de fotografia, estreia no dia 21 de janeiro, segunda, às 21h30, no Canal OFF. A produtora é a Cinemauro.


Sylvestre Campe na Capadócia / Divulgação Canal OFF

“Esse projeto é um desafio pessoal, acho importante sempre inovar, nunca ficar confortável com sua profissão. Nos últimos dez anos eu já dei mais de 20 voltas ao mundo, mas eu ainda tinha o sonho de poder voar. Tinha que ser em uma coisa leve e prática e o paramotor é tudo isso. É um aparelho que desmonta, dá pra levar no carro, no barco, é a ferramenta perfeita para o que eu queria. Muitos dos destinos que eu estou indo nessa expedição eu já conheço, mas será a primeira vez que os verei de cima”, declara Sylvestre.

No primeiro episodio, o diretor de fotografia Sylvestre Campe começa sua jornada pela busca de um sonho: registrar pela primeira vez em sua carreira imagens aéreas pilotando um paramotor sozinho. Para essa experiência, que começa pela Europa, Sylvestre conta com a ajuda do campeão mundial de paramotor, Dean Eldridge. “Achei o cara perfeito, além de ser um piloto infalível ele me passa calma e concentração”, explica. Na Inglaterra, Sylvestre encontra alguns pilotos e conta como descobriu que o paramotor seria o equipamento perfeito para realizar o seu sonho. “Visitei um galpão onde eles construíam os paramotores, fiquei um dia inteiro olhando tudo, extasiado”, declara.

Na Espanha, Sylvestre e Dean conhecem os capacetes que foram adaptados especialmente para eles usarem nesta expedição, com duas câmeras, rádio e visor. Após voos duplos e algumas aulas, Sylvestre finalmente consegue voar sozinho. “Levei exatamente três dias para me acostumar ao equipamento e conseguir sair do chão, quando estou no ar é uma sensação incrível, a melhor parte é quando desligo o motor para o pouso, é uma descida leve e tranquila”, conta.

Na França, em um castelo que foi de seu bisavô e onde o diretor passou sua infância, Sylvestre recebe pilotos ingleses para sobrevoarem o local que conta com inúmeras fazendas antigas. “Passei minha infância aqui, é incrível poder ver tudo isso de cima. Ninguém da minha família teve essa oportunidade de ver o local que vivemos tantos anos em imagens aéreas, poder proporcionar isso para eles vai ser demais”, declara. O time ainda aproveita para sobrevoar o rio Rhone. Sylvestre segue registrando tudo, só que desta vez de um barco. “Quando éramos pequenos eu e meus primos adorávamos pular da ponte do rio Rhone, era a sensação que tínhamos mais próxima de voar”, conta.

Nos próximos episódios, Sylvestre Campe segue com a ajuda de seu professor Dean Eldridge sobrevoando e registrando imagens aéreas espetaculares de países como Turquia, Dubai, Austrália e Brasil. “Eu não consigo praticar um esporte só pela adrenalina em si, eu gosto do esporte como ferramenta para conhecer novos lugares, histórias, pessoas, para abrir horizontes. Nesta experiência eu tive que aprender a superar o medo de voar sozinho e a confiar na minha intuição. Não tinha ideia do quão fascinante era o mundo visto de cima”, finaliza Sylvestre.

Confira o teaser do primeiro episódio:
http://canaloff.globo.com/programas/aereas/videos/2344214.html

Sylvestre Campe, 46 anos, nasceu na Alemanha e vive no Brasil há mais de duas décadas. Dirige e fotografa longas-metragens, documentários e peças publicitárias para televisão e cinema. Vencedor de dois Emmy Awards, entre outros prêmios no Brasil e pelo mundo, Sylvestre também dirigiu e fotografou para canais brasileiros, internacionais e várias emissoras europeias. Passou sete anos de sua adolescência com a família em um veleiro viajando ao redor do mundo, enquanto seu pai, também cineasta, produzia documentários sobre a viagem. Desembarcou nos EUA, onde estudou cinema na Rhode Island School of Design, e após formar-se escolheu o Brasil como base para viver e trabalhar.