João Falcão, um dos mais celebrados autores de TV, cinema e teatro, revela para Antônio Abujamra, no Provocações, que seu interesse profissional sempre foi a música. O programa da TV Cultura vai ao ar nesta terça (26/2), às 23h.

“Eu queria ser um astro pop, um band leader de uma banda de rock, alguma coisa assim. Eu fazia muita música, tocava em Recife. Até me chamaram para tocar num espetáculo chamado Morte e Vida Severina. Era um espetáculo de dança e teatro misturado, aquela coisa do início dos anos 80, e eu fui, fiz e nunca mais saí do teatro”, conta Falcão.


Foto: Divulgação TV Cultura

Embora tenha seguido a carreira de autor, João explica que a música é fundamental no seu processo de trabalho, seja no teatro, no cinema e na TV. Sua dramaturgia é composta por diálogos ritmados, que só ele entende e sabe regê-los. “Faço música para cinema, para teatro, e quando eu escrevo para teatro eu faço música também. Mesmo quando o texto não tem uma partitura determinada, eu escrevo pensando em música e ritmo. Quando eu escrevo tem uma música tocando na minha cabeça’.

Além do teatro, Falcão também pertence ao universo da TV: “A televisão no Brasil está passando por uma transformação com o advento da produção independente. Acho que a gente tinha algumas emissoras e hoje em dia a gente tem milhões de canais, não só os tradicionais, a cabo, canais comprados como também os canais de internet, que também não deixam de ser televisão.”

Sua decepção está com o cinema brasileiro, por causa da pequena temporada de exibição.”É muito bom fazer cinema, porque se trabalha com um pouco mais de planejamento e de tempo. Mas, por outro lado, é muito cruel trabalhar durante tanto tempo, gastar tanta energia, tanto dinheiro e não ser exibido por um tempo decente”, conclui.