Em geral, espera-se que o sexo seja um momento prazeroso e que, de preferência, acabe com a apoteose de sentidos e sensações. Mas há ocasiões em que nem tudo acontece como o esperado, nas quais o famigerado ato de liberação dos instintos termina na sala de emergência do hospital mais próximo.

São estes casos, os de experiências sexuais convertidas em relatos médicos, que compõem a nova série do canal TLC: AI, AI, AI DO SEXO (Sex Sent Me to the ER) estreia na terça-feira, 7 de janeiro, às 20h30.

A cada episódio, três histórias tragicômicas são contadas a partir de dramatizações e depoimentos dos envolvidos, de médicos aos próprios protagonistas. Utilizando na abordagem a combinação entre entretenimento e informação, as reconstituições mostram casos reais de pessoas que passaram por acidentes de todo tipo, bem na “hora h”.

A série começa com o drama de um casal que deu entrada no hospital ao som dos gemidos da mulher que estava no meio de um orgasmo ininterrupto há mais de três horas. O clímax indesejado e inapropriado prejudicou a vida de Liz: trabalhar ficou impossível e sair de casa tornou-se motivo de tensão e medo. Em uma fala emocionada, ela conta às câmeras sobre a sua condição raríssima, como chegou ao diagnóstico e ao tratamento.