ae A febre dos leilões de depósitos de armazenamento abandonados ultrapassou fronteiras norte-americanas e contagiou o Canadá. A busca por essas unidades pode ocultar tesouros e atrai mais e mais apostadores nesse negócio, que seguem seu instinto e experiência para comprar pelo melhor preço lotes com objetos que para muitos parecem apenas lixo. Em 24 de abril, quinta-feira, às 22h30, o canal de televisão por assinatura A&E estreia Quem dá Mais? Toronto, série da vida real com os excêntricos personagens que transformaram estes leilões em uma verdadeira guerra de apostas para ganhar o maior prêmio.

[creditos:785c21269a]

Divulgação / A&E [/creditos:785c21269a]

Nesse negócio, os leilões são feitos às cegas, e os lotes arrematados podem resultar em muito lucro quanto prejuízo, por isso a experiência junto com a intuição dos interessados fazem toda a diferença. Quatro são as equipes de leiloeiros que lutam por muito dinheiro na edição canadense: Roy Dirnbeck, “o investigador”; Cindy Hayden e Rick Coffill, “os veteranos”; Úrsula Stolf, “a sortuda”; e a dupla de pai e filho, Paul Bogart e Kenny, “o apostador e o aprendiz”.

Armados com uma lanterna, um olho especializado e um instinto único, esses apostadores profissionais combinam conhecimento, experiência e astúcia para superar a oferta dos outros e ganhar muito. Com apenas cinco minutos para visualizar o conteúdo de um depósito, o leiloeiro Don Reinhart mantém os concorrentes agrupados. Eles buscam pistas sobre o que oculta um cobertor ou o que guardam caixas de embalagens diversas. O arrematador da unidade pode conseguir um armário cheio de lixo ou tesouros de quem ninguém suspeitava.

Protagonistas

Don Reinhart, de Caledon, Ontário.

Experiência: Participou de leilões por 48 anos. Don leiloou de tudo, desde carros destroçados até casas e equipamento médico. Seu lema é: “Se não segue minhas regras, não joga”. Nascido em uma família de leiloeiros, Don é um autodidata que vem realizando leilões desde 1965. Com ofertas de todo tipo, Don atribui seu sucesso a seu amplo conhecimento e ética profissional. Os fiéis seguidores de Don asseguram que onde quer que ele vá, atrai uma multidão.

Roy Dirnbeck, de Mississauga, Ontário.

Melhor oferta: Roy comprou uma unidade por US$ 3.200 que continha um relógio Rolex avaliado em US$ 17.000. Seu lema é: “Sabe de uma coisa, Canadá? Comecem a pagar suas contas ou, do contrário, serei dono de tudo”. Roy não busca fazer novos amigos, para não arriscar sua posição no jogo. Alguns truques, como intimidação e dissimulação, são usados como táticas na hora de negociar. Como dono de uma transportadora de sucesso, Roy tem muito dinheiro, ou seja, lixo realmente não o interessa. Nos leilões, Roy sempre está em busca de duas coisas: artigos que se convertam em muito dinheiro e objetos que façam a diferença em sua casa. Até o momento Roy conseguiu encher seu sótão de achados únicos, como uma bomba de gás antiga, uma máquina de pinball e objetos esportivos.

Úrsula Stolf, de Woodbridge, Ontário.

Melhor oferta: Úrsula comprou um par de botas que valiam US$ 1.500, por apenas 65 dólares, para logo revendê-las por US$ 600. Lema: “Não me diga que não posso alguma coisa porque o farei de qualquer maneira”. Com o sucesso de seu negócio de venda de roupa e acessórios online, Úrsula vê uma grande potencial nessas unidades. Seu pai a apresentou ao mundo dos leilões quando era vivo e ela era uma menina e foi aprendendo os macetes do negócios aos poucos. Quando Úrsula não está trabalhando em seu negócio ou nos leilões, trabalha como professora suplente.

Cindy Hayden e Rick Coffill, de Newmarket, Ontário.

Melhor oferta: Compraram um lote por US$ 1.350 e encontraram um anel de diamante antigo no valor de US$ 50.000. Lema: “No geral, me porto bem; mas se cruza meu caminho nos leilões, vai se ver comigo”, segundo Cindy. Esses fortes competidores são veteranos nos leilões de unidades de depósitos e são conhecidos por serem concorrentes muito agressivos. Em sua missão para abastecer sua loja com qualquer antiguidade de alta qualidade e artigos de coleção, Cindy e Rick utilizam uma variedade de táticas para afugentar os outros concorrentes e não têm medo de jogar sujo.

Paul e Bogart Kenny, de Toronto, Ontario.

Melhor oferta: Compraram um jogo de porcelana por 750 dólares e o revenderam por US$ 30.000. Lema: “Minha esposa me disse para não ser agressivo, sarcástico, nem grosseiro com ninguém. Nem sempre consigo”, diz Paul. Um caloteiro nato, Paul ganhou a vida jogando pôquer profissionalmente por mais de 30 anos e com sua ganância fez um negócio de sucesso de compra e venda de objetos de colecionador. Com uma estranha habilidade para fazer dinheiro, Paul conhece o verdadeiro valor da maioria dos objetos que encontra e agora quer ensinar a seu filho os truques do negócio. Bogart parece ser o único que não se sente intimidado por Paul e discute com ele sobre quase tudo. Bogart está pronto para se lançar nos leilões, mas sabe que tem muito a aprender. Bom, mas … “Será que é tão difícil?”.