Em 1992, o desaparecimento e a morte de um menino de seis anos, Evandro Ramos Caetano, em uma pequena cidade do litoral do Paraná, Guaratuba, chocaram o país. Não só pela brutalidade com que foi assassinado, mas pelos desdobramentos políticos e judiciários do caso, cheio de reviravoltas, algumas delas, inclusive, bem recentes.

- Publicidade -

Apesar de ser um episódio conhecido do grande público, o “Caso Evandro” ganhou novos rumos de investigação a partir da apuração de Ivan Mizanzuk, que construiu, a partir dessa história, a temporada de maior sucesso do podcast ‘Projeto Humanos’, disponível no Globoplay e nas outras plataformas de áudio digital. E nesta quinta-feira (13), o caso narrado em mais de 30 episódios e mais de 40 horas de áudio por Ivan ganha sua versão em vídeo com a estreia da série documental original Globoplay, “Caso Evandro” também na plataforma, a primeira adaptação do gênero do Brasil.

A série conta a história de  Evandro Ramos Caetano, que desapareceu e foi encontrado morto de forma brutal em abril de 1992. Em julho daquele ano, sete pessoas foram presas e confessaram que usaram o menino em um ritual macabro. Mas o caso estava longe de ser encerrado – assim como a culpa daquelas pessoas estava longe de ser devidamente esclarecida.

A produção, realizada pela produtora Glaz e gravada no início de 2020 sob a direção geral de Aly Muritiba, que divide a direção com Michelle Chevrand, tem roteiro assinado por Angelo Defanti, Arthur Warren, Ludmila Naves e Tainá Muhringer e contou com a participação do próprio Ivan Mizanzuk na frente e atrás das câmeras. Além de ser um dos entrevistados e contar sobre as motivações e métodos que o levaram a se aprofundar no caso, ele também colaborou com a pesquisa e a estruturação dos roteiros. Como nos grandes títulos de true crime, a série traz depoimentos de personagens-chave da história, imagens de arquivo da época e ambientação de cenas emblemáticas do caso, que ficou informalmente conhecido como “As bruxas de Guaratuba” por ter sido por muito tempo atribuído a rituais de magia.

As gravações, que foram realizadas em Guaratuba, Paraná, local onde o crime ocorreu, resultaram nos sete episódios que o público vai acompanhar de forma faseada no Globoplay. O trabalho gerou ainda um episódio extra dedicado exclusivamente ao desaparecimento de outro menino, Leandro Bossi, também ocorrido em 1992, cujo desenrolar das investigações por vezes se misturou ao caso do Evandro, o que é mencionado diversas vezes no podcast.

“Caso Evandro” estreia dia 13 de maio no Globoplay.

 

 

- Publicidade -