Há 11 anos, o cinema brasileiro dava sinais de vida e um dos filmes mais comentados do período foi, sem dúvida, "Eu, Tu, Eles", que o A&E exibe no dia 25 de fevereiro, sábado, às 20h. À frente de seu segundo longa, o diretor Andrucha Waddingnton filmou uma história insólita: uma mulher que passa a viver com seus três homens no nordeste brasileiro, ambiente em que ainda predomina o patriarcado. O diretor conta que a ideia surgiu de uma notícia real que vira no jornal.

- Publicidade -

Sucesso no Festival de Cannes, quando foi exibido na seção "Um Certo Olhar", o filme tem como sua heroína feminista Regina Casé no papel de Darlene, mulher que ao longo da trama vai se envolver com Osias (Lima Duarte), com seu primo Zezinho (Stênio Garcia) e por fim com o desconhecido Ciro (Luiz Carlos Vasconcelos). Premiado como Melhor Filme no Grande Prêmio Cinema Brasil, "Eu, Tu, Eles" teve parte da trilha sonora composta por Gilberto Gil, como O Amor Aqui de Casa, As Pegadas do Amor, Lamento Sertanejo e Casinha Feliz. Outras músicas foram interpretadas pelo "rei do baião", Luiz Gonzaga.

Em seguida, às 22h é a vez do canal estrear em sua programação "Dois Filhos de Francisco", de Breno Silveira, até então mais conhecido como diretor de fotografia – premiado, inclusive por "Eu, Tu, Eles" – que estreou na direção com um dos longas-metragens mais comentados de 2005.

A história da dupla sertaneja Zezé Di Camargo e Luciano teve tamanho sucesso que, no ano de lançamento, tornou-se o filme com maior público, com 4,7 milhões de espectadores. A crítica, em geral, também concordou com a qualidade e o filme foi o candidato brasileiro a uma das cinco vagas do Oscar na disputa de melhor filme estrangeiro.

O enredo centra-se na figura de Francisco (Ângelo Antônio), lavrador do interior de Goiás, que tem um sonho aparentemente impossível: transformar dois de seus nove filhos numa famosa dupla sertaneja. Sua primeira esperança é no primogênito Mirosmar (Dablio Moreira) para quem dá um acordeão quando o menino completa 11 anos. Mirosmar e o irmão Emival (Marcos Henrique) começam a se apresentar com sucesso nas festas da vila e depois de conhecer o empresário Miranda, chegam às paradas de sucesso. Um acidente, no entanto, interrompe a carreira da dupla. Depois de quase desistir, Mirosmar volta a cantar, sob o nome de Zezé Di Camargo e ao lado do irmão Welson (Luciano), 11 anos mais novo, com quem atinge sucesso nacional. A trilha sonora do filme é toda de Zezé.

- Publicidade -