Polêmico e controverso são dois dos melhores adjetivos para descrever Pablo Escobar, o mais famoso e temido narcotraficante da história. Amado e odiado, o colombiano desperta fúrias e paixões ainda nos dias de hoje, depois de mais de 20 anos de sua morte. Entre defensores e detratores, apenas uma opinião em comum: a de que se transformou em um grande mito.

A partir do dia 15 de setembro, de segunda a sexta-feira, às 21h, o canal +Globosat traz pela primeira vez ao Brasil a série “Pablo Escobar: O Senhor do Tráfico”, produzida pela Caracol TV, que explora os dois lados de “El Pablito”, e já foi sucesso em mais de 20 países.

Baseada no livro “La Parabola de Pablo”, de Alonso Salazar, a obra, dirigida por Carlos Moreno, é a maior produção já feita na Colômbia, com a participação de 1300 atores e gravações em 450 locações externas, entre Miami, Bogotá, Medellín e Caribe. Sem dúvida, a mais audaciosa também, com custo por capítulo de U$ 165 mil. São 74 capítulos que exploram a vida do traficante por meio de fatos jornalísticos e testemunhos de pessoas que estiveram envolvidas com ele. A história vai desde os tempos de infância na cidade de Rionegro, em Antioquia, até sua morte, em 1993, passando pelo início na vida criminosa e pela parceria com o contrabandista Álvaro Prieto, até chegar ao auge no tráfico internacional de maconha e cocaína, formando o Cartel de Medellín. A rede foi responsável pela distribuição de 80% da cocaína mundial.