Em novembro, o History exibe o especial Armas Modernas da 1ª Guerra Mundial. Dividido em quatro episódios, você irá acompanhar como foram desenvolvidas as armas utilizadas na guerra, seus erros de projeto e como elas foram aperfeiçoadas. Estreia dia 4 de novembro, às 22h00.

Episódio 1: Bestas Blindadas

Os tanques foram os primeiros equipamentos de guerra blindados a ser usados no campo de batalha. Estes barcos terrestres, como eram chamados, foram patrocinados por Winston Churchill, o chefe do almirantado britânico. Adaptada de um trator americano com esteiras, a máquina foi projetada em segredo para romper trincheiras altamente fortificadas e oferecer proteção às tropas atacadas pela artilharia pesada. Apesar do fracasso enorme em sua primeira ofensiva na Batalha do Somme— não funcionaram e ficaram encalhados na lama—a propaganda do governo britânico reverteu a história e preparou o caminho para que milhares de tanques fossem construídos e se tornassem importantes armas de guerra.

Episódio 2 – Nuvens da Morte:

Os alemães, ignorando os tratados internacionais assinados, foram os primeiros a transformar elementos químicos em armas. Neste caso foi o cloro, um ingrediente altamente tóxico usado na fabricação de corantes químicos do qual mantinham um enorme suprimento. A ação desencadeou uma intensificação das armas de gases venenosos quando ambos os lados desenvolveram outros elementos químicos e contramedidas eficientes. Seu uso culminou em um plano britânico ousado que se desdobrou debaixo do campo de batalha de Messine Ridge. Especialistas em minas e explosivos britânicos implantaram 450 toneladas de altos explosivos numa rede de túneis sob Messine Ridge. Ao serem acesos, produziram a maior mina terrestre da história, matando 10.000 soldados alemães. A explosão sacudiu janelas na 10 Downing St., que fica a 140 milhas, e foi registrada como um terremoto na Suíça.

Episódio 3 – Ataques Aéreos:

Apesar de muitos acharem que a Blitz se originou na Segunda Guerra Mundial, a verdade é que a primeira Blitz aconteceu durante a Primeira Guerra Mundial. As bombas foram lançadas de aeronaves gigantes projetadas pelo conde Ferdinand von Zeppelin, cuja inspiração se originou ao observar o exército alemão nos EUA durante a Guerra Civil e viajar num balão de ar quente pela primeira vez. Estas superestruturas mais leves do que o ar, duas vezes mais longas do que a altura da Estátua da Liberdade, mediam seus voos em centenas de milhas enquanto aviadores pioneiros mediam o sucesso em centenas de jardas.

Episódio 4 – Matadores Submarinos:

O Atlântico se tornou um campo de extermínio quando os submarinos alemães enfrentaram o poder da dominante marinha britânica. Os assassinos silenciosos e furtivos afundaram 5.200 navios até o fim da guerra, e quase deixaram a Grã Bretanha de joelhos. Mas no frenesi dos ataques, os alemães afundaram o Lusitania, um navio de passageiros americano, matando aproximadamente 2.000 pessoas a bordo. A ira dos americanos ajudou o presidente Wilson a convencer o congresso a finalmente entrar na guerra. No fim, o bloqueio dos aliados no Atlântico forçou a Alemanha a se entregar, mas o submarino se estabeleceu como uma eficiente arma de guerra.