Neste domingo, dia 24 de setembro, o Núcleo de Reportagens Especiais da Record TV chega à marca de mil documentários produzidos em 10 anos. O milésimo será exibido no Câmera Record deste domingo. O programa mostrará uma denúncia exclusiva de trabalho escravo no meio da floresta Amazônica.

- Publicidade -

Pela primeira vez, uma equipe de televisão consegue chegar ao local em que uma população indígena descendente da etnia Baré chega a viver até seis meses dentro da selva na produção extrativista da piaçaba, fibra da Palmeira, usada na fabricação de vassouras. Os trabalhadores passam o dia inteiro dentro da floresta, carregam toras de até 90 kg por dia e acabam adquirindo dívidas com gerentes da produção, porque o custo para chegar até o local e a alimentação é muito alto. Sob condições extenuantes, o Ministério Público do Trabalho considera como trabalho análogo à escravidão.

O Núcleo foi formado em abril de 2007 pelo jornalista Rafael Gomide, a pedido do vice-presidente de Jornalismo, Douglas Tavolaro, e, na época, contava com 11 profissionais. Acreditava-se que não havia tempo e espaço suficiente nos telejornais do chamado "hardnews" para esmiuçar os assuntos e que esse era um desejo dos telespectadores. E a Record TV mostrou que era possível. Desde então, o grupo se dedica a produzir reportagens temáticas e bastante aprofundadas.

Hoje, o departamento possui 33 jornalistas que produzem documentários sobre os mais variados temas, inovando em estética, conceito, encaminhamentos, pautas, formatos de edição e captação de imagens.

- Publicidade -