[creditos:2d83c1b8a1]
SescTV exibe documentário e show inéditos com o saxofonista Gil Costa (Divulgação)[/creditos:2d83c1b8a1]
Um dia ele quis ser jogador de futebol, mas a música o conquistou. Nascido em Governador Valadares – MG, o saxofonista e compositor Gil Costa conversa sobre carreira, influências e inspirações musicais em documentário inédito da série Passagem de Som, que o SescTV apresenta no dia 24 de julho, domingo, às 21h, no SescTV. Na sequência, às 21h30, o canal exibe show do músico na série Instrumental Sesc Brasil, com repertório autoral do seu primeiro disco, Ticonino. Inéditos, os programas têm direção geral de Max Alvim.

- Publicidade -

Um dos vencedores do XV Prêmio BDMG Instrumental, em 2015, Costa recorda quando tinha 17 anos de idade e era volante em um time de futebol. “Eu já tocava, mas o futebol estava em primeiro lugar”. A música ocupou o lugar do esporte depois que o instrumentista teve um problema na coluna, mas ele diz que não deixou de gostar de futebol. No episódio de Passagem de Som, Costa visita o canal Fox Sports, na capital paulista, onde conversa com os jornalistas Flávio Gomes e Fábio Sormani, especialistas/apresentadores de um programa sobre futebol.

O artista também conversa com o saxofonista Wagner Barbosa, integrante da banda Reverendo Franklin, que mistura canções populares, black music e soul. Tanto o artista mineiro como Barbosa começaram seus estudos de música na igreja. Crenças à parte, Costa diz que seu foco está em seu primeiro trabalho, o álbum Ticonino, que teve influências lúdicas – voltadas para seus dois filhos – e técnicas – inspiradas no primeiro disco do contrabaixista e pianista Enéias Xavier, intitulado Jamba.

O programa mostra ainda o ensaio de Gil Costa para o show da série Instrumental Sesc Brasil, que o canal exibe na sequência. O músico apresenta as composições: Ticonico; Sossego; Agum; e Olive Green, de sua autoria, além de Mala Véia, em parceria com Samy Erick; e Noite do Dente, em parceria com David Breder. Tocando sax tenor, Costa é acompanhado por Felipe Vilas Boas, na guitarra; Bruno Vellozo, no baixo acústico; Fernando Bola Delgado, na bateria; Wagner Souza, no trompete; e, como convidado, Fábio Torres, no piano.

- Publicidade -