[creditos:15df2dae15]
SKY é nova patrocinadora da Superliga de Vôlei (Divulgação)[/creditos:15df2dae15]
A Superliga de Vôlei tem um novo patrocinador. Nesta segunda-feira, dia 24 de outubro, a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e a SKY anunciam o patrocínio da temporada 2016/2017 pela operadora. Com o acordo, a SKY se torna patrocinadora da Superliga de Vôlei masculino e feminino e será uma das principais parceiras da liga nacional e da modalidade no País.

A operadora terá presença em todos os jogos, nas quadras (fitas da rede, cadeira do árbitro, manga da camisa dos árbitros, adesivo de piso), no backdrop, nas mídias sociais e nas ativações especiais durante todo o campeonato. Um plano com ações institucionais e promocionais, mídia e relacionamento reforçará a relação da marca com o esporte no Brasil.

Estamos muito entusiasmados com a oportunidade de patrocinar a Superliga e dar continuidade ao projeto da SKY de fomentar o esporte nacional. O vôlei brasileiro tem uma rica bagagem e uma história vencedora, escrita por grandes nomes dessa modalidade, jogadores e técnicos. Esperamos que esse esporte siga se fortalecendo ainda mais”, diz o VP de Marketing e Programação da SKY, Agrício Neto.

O patrocínio terá início nesta quarta-feira, dia 26, na primeira partida da competição masculina, entre JF Vôlei x Vôlei Brasil Kirin, às 20h em Juíz de Fora. Na quinta-feira, 27/10, acontece a primeira partida da competição feminina, entre Renata Valinhos/Country e Dentil/Praia Clube, às 19h, com transmissão ao vivo do SporTV.

"A chegada da SKY fortalece a Superliga e nos dá a certeza de que a competição, uma das mais importantes do mundo, cresce cada vez mais. A SKY tem tradição no apoio ao esporte e esta parceria é importante para o desenvolvimento do voleibol", afirma o diretor de Voleibol de Quadra da CBV, Radamés Lattari.

A Superliga masculina 2016/2017 será composta por 12 equipes, que representam 11 cidades, de quatro Estados: Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. A feminina também possui 12 equipes, em 10 cidades, do Distrito Federal e de quatro Estados: Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.