Olá, internautas

- Publicidade -

Uma demanda deste espaço foi atendida pela TV Globo. Nesta segunda-feira (01/03), “A Vida da Gente” retornou à programação da emissora. A pandemia do novo Coronavírus continua a afetar as produções do canal platinado. Uma nova reprise na faixa das seis se fez necessário. E acertaram na decisão.

“A Vida da Gente”, assinada por Licia Manzo com direção geral de Jayme Monjardim e Fabricio Mamberti, é uma das melhores produções da década passada. E sou pé quente. Como ocorreu com Flor do Caribe, também estive na festa de lançamento da novela das seis protagonizada por Fernanda Vasconcellos, Marjorie Estiano e Rafael Cardoso. Nesta festividade, tive a oportunidade de conhecer a atriz Nicette Bruno que nos deixou há pouco tempo. Muito acessível e simpática com todos.

Foi a primeira vez que acompanhei todo o “circo midiático” formado ao redor dos atores e atrizes da TV Globo. Algumas repórteres “babavam” durante as entrevistas com Thiago Lacerda que, de fato, é um galã. Também recordo de um ator (do terceiro escalão, na época) que entrou na festa como se fosse uma celebridade mundial. O mesmo aconteceu com uma atriz veterana (atualmente fora da mídia). Ranço instalado até hoje.

Em 2011, comentei no nosso antigo espaço do UOL sobre o primeiro capítulo que lembrava as obras de Manoel Carlos, inclusive pela direção de Jayme Monjardim, responsável por Páginas da Vida e Viver a Vida.

“O primeiro capítulo explorou o romance entre Ana e Rodrigo. Belas cenas de romantismo foram ao ar. Sempre é agradável ver uma pessoa declarar “eu te amo” e acompanhar o clima de ”o amor está no ar”. Fernanda Vasconcellos e Rafael Cardoso funcionaram muito bem no vídeo. A direção acertou na escolha dos atores”, ressaltei na época. E continuo com a mesma percepção 10 anos depois.

“É válida a iniciativa de apresentar histórias fora do eixo Rio-São Paulo (sempre defendi isso aqui no blog). Gramado é uma belíssima cidade que há tempos merecia uma atenção especial da teledramaturgia brasileira. A direção acertou ao fugir do sotaque gaúcho das personagens. Perigo desnecessário que poderia comprometer toda a novela”, frisei na minha primeira análise da obra.

A reprise de “A Vida da Gente” deverá envolver o público que não acompanhou dez anos atrás e emocionar novamente os telespectadores que já assistiram à história de Ana, Rodrigo e Manuela.

Fabio Maksymczuk

- Publicidade -