Quantas histórias podem ser contadas entre 90 mil vidas que passam diariamente por um terminal de ônibus? Estamos falando, na verdade, da maior rodoviária da América Latina: Terminal Tietê, na capital paulista. Dali, entre os 89 portões de embarque e desembarque, Caco Barcellos, Nathalia Tavolieri e Gabriel Mitani apresentam realidades distintas, encontros e desencontros, superação e desistência, no ‘Profissão Repórter’ desta quarta-feira, dia 30.

Com três filhos – sendo um deles de apenas 24 dias – e a pouca roupa no corpo, Vitória de Jesus chegou a uma São Paulo fria, com termômetro a 10°C, e apenas um desejo: fugir do marido que bebe demais. Enquanto chegava, Gabriel Mitani encontra Jalmir Aguiar, baiano que saiu de casa rumo à metrópole para tentar a vida como jogador de futebol e que estava voltando a Ilhéus, por conta do desemprego.

Mitani, que exerce a função de editor de texto no programa, aceitou o desafio de ser videorrepórter nesta edição. “Já fiz muita coisa, mas foi a primeira vez em algo assim. Os maiores desafios foram ter de me adaptar ao equipamento, conseguir me aproximar do Jalmir para pegar depoimentos espontâneos e verdadeiros e não passar mal no ônibus, porque foram 30 horas balançando muito e tendo de filmar”, conta.

A vídeorrepórter Nathalia foi bem mais longe. Ela viajou durante três dias, até Teresina, ao lado da família de uma menina de seis anos que tem paralisia cerebral e que há cinco não visitava os familiares no Piauí. “Eu acompanhei como seria para essas pessoas (a criança com paralisia, a mãe, o pai, dois irmãos, a tia e a avó) encarar três dias em um ônibus quente, sem estrutura. Quando chegamos em Teresina, na rodoviária, tive uma surpresa, que vai ser exibida no programa e que me deixou em choque. Eu pensei que tinha perdido tudo!”, conta Nathalia.

Nas plataformas da rodoviárias, Caco Barcellos registra um encontro apaixonado de um casal que viu seu amor crescer via internet. O pedido de namoro foi ali mesmo entre as malas e os passageiros do Terminal Tietê.