globo A TV Globo comemora no próximo sábado, dia 26 de abril, 49 anos no ar. Apesar da longa data, a emissora tem muito a se preocupar e pouco a comemorar quando o assunto é a audiência. Somente no primeiro quadrimestre de 2014 a emissora bateu recordes negativos de audiência em diversas atrações.

[creditos:05050184f7]
Meu pedacinho de chão
Divulgação / TV Globo[/creditos:05050184f7]

Somente na primeira metade do mês de abril o Video Show pedeu a liderança em mais de 50% do tempo para o Balanço Geral da TV Record. O talk show do Jô Soares, que antes liderava com folga, tem perdido a liderança com frequência para o talk show comandado por Danilo Gentilli no SBT. A novela Em Família, apesar de manter a liderança, não tem apresentado os resultados esperados e com isto faz despencar toda a audiência dos programas seguintes. A novela Meu Pedacinho de Chão estreou com a pior audiência da história da emissora, apesar da qualidade da produção. Jornal Nacional e Fantástico também amargam a fuga do público.

É notório e fato que a TV Globo sempre alcançou excelentes resultados de audiência devido a alguns fatores a se observar, entre eles estava a estabilidade da grade de programação (o público sabia exatamente o tipo de programação que encontraria em determinado horário) e a qualidade de conteúdo de diversos programas. Apesar de questionável em alguns casos, não podemos afirmar que a emissora não tem conteúdo de qualidade em algum momento no ar.

Além disto, um outro fator sempre foi positivo para a emissora: sua qualidade técnica. A TV Globo sempre foi vista no imaginário popular como a emissora com a melhor imagem e som entre todas as outras. Isto é inegável. Até mesmo seu sinal analógico nas parabólicas sempre teve a melhor qualidade, com uma imagem limpa e cores devidamente marcadas, apesar das limitações do padrão de transmissão.

Desta forma, o público não só se acostumou com a programação como também em ter o melhor sinal. Assim, sempre foi mais fácil deixar nossos televisores ligados na TV Globo, sem o trabalho de ficar regulando as antenas ou fazendo "gambiarras" (leia-se usar lâmpadas ou mesmo esponja de aço) para ter uma imagem melhor, sem fantasma.

E assim foi até a chegada do sinal digital e a qualidade da Alta Definição. Ao contrário de outras emissoras, a TV Globo optou por fechar seu sinal, restringir o acesso à versão com mais qualidade. O público se viu "órfão" da emissora na AD (Alta Definição. Estamos no Brasil, então, por que não optar por uma sigla em português?).

Pode ser que nas grandes cidades o sinal seja bem recebido e são estes grandes centros que interessam, por sua audiência e retorno comercial. Sabemos disto. A TV Globo até tentou lançar um sistema própria para ter suas afiliadas em alta definição via parabólica para o interior do país. Mas o equipamento é caro, complicado e confuso para ser usado se comparado aos demais modelos de receptores de parabólicas disponíveis no mercado.

[creditos:05050184f7]
Lançamento Sat HD Regional
Divulgação / TV Globo[/creditos:05050184f7]

Assim, o grande público não conseguiu se adaptar facilmente à nova imposição tecnológica. Se antes bastava comprar um receptor e conectar no cabo da parabólica para ter seus canais favoritos, agora com o SAT HD Regional a coisa complicou. É preciso instalar um GPS, torcer para estar numa área de cobertura e configurar o receptor para funcionar. Mesmo os "satentusiastas" mais experientes sentem certa dificuldade no início. Imagine o que não acontece com o grande público leigo.

Pra piorar, o SAT HD Regional não está em todo lugar. Mesmo nas cidades que não contam com sinal em alta definição terrestre ele não permite a sintonia nem mesmo do sinal nacional. Volto a repetir, a Globo pensou um equipamento complicado para colocar nas mãos do público que vive nas fazendas e pequenas cidades e que, em sua maioria, são pessoas simples sem muita intimidade com tecnologias. Este público quer facilidade para poder descansar no final do dia.

Neste ponto, outras emissoras foram mais inteligentes. Record, RedeTV!, Rede Vida e Band, por exemplo, mantém seus sinais em alta definição abertos no satélite (o mesmo usado pelas parabólicas analógicas). Basta ter um receptor e acessar. O mercado brasileiro tem apresentado novos receptores que sintonizam os canais analógicos e os digitais em alta definição no satélite. E o melhor: são muito mais simples de configurar. Uma vez instalado pelo técnico não é preciso mais esforço. Os novos receptores praticamente já vem prontos para serem apenas plugados, tamanha facilidade que o mercado têm trazido.

Com estes novos equipamentos, que já se popularizaram bastante e estão a venda por todo o país com preços bem mais em conta, o público passou a contar com o sinal de melhor qualidade das grandes emissoras. Mas não mudou nada com relação à TV Globo que continua disponibilizando apenas seu sinal analógico (que é bom, mas apenas se comparado aos demais canais analógicos).

Aos poucos o comportamento da audiência começou a mudar também. Se antes a Globo era sinônimo de qualidade técnica em mais da metade do país, agora já não é mais assim. Emissoras como Record e Band passaram a oferecer muito mais qualidade de vídeo e áudio, com muito menos complicação. Isto permitiu ao público conhecer novos programas e adquirir novos hábitos.

Se alguém duvida que um sinal em alta definição pode fazer diferença, basta observar os números da operadora Oi e verificar o crescimento que tem ocorrido nos últimos meses devido a inclusão dos principais canais abertos em alta definição. Assim que o formato "livre" de mensalidade da operadora estiver liberado para todo país a tendência é que os números cresçam mais ainda.

Além disto, é possível perceber como um sinal melhor interfere no público ao acompanhar as aberturas ocasionais de sinal de afiliadas da TV Globo que já estão no satélite com sinal em alta definição. Sempre que um sinal é aberto as pessoas sintonizam, assistem e ficam ligadas. Até mesmo aquelas pessoas que já deixaram de ver a Globo voltam a assisti-la, nem que seja por um dia ou dois (enquanto o sinal se mantém aberto).

Aparentemente, operadoras e demais emissoras já perceberam que para mudar comportamentos e conquistar mais audiência é preciso ofertar mais qualidade de imagem e som, além de proporcionar menos complicações com menus, instalações e equipamento.

Só falta a TV Globo perceber este comportamento e mudar sua política de restrição a seu sinal. O mundo evolui e melhora. As pessoas percebem e mudam. Só esperamos que a emissora não demore muito pra perceber o que tem feito a si mesma. Depois poderá ser difícil reverter o quadro a seu favor. Pra finalizar, a TV Globo pode até ter uma excelente qualidade técnica, mas enquanto tiver uma política restritiva verá seu público zapeando para outros canais, por esse e outros motivos.