Faleceu nesta segunda-feira, dia 30 de maio, o ator e diretor Milton Gonçalves. Vítima de complicações de um AVC, o ator faleceu aos 88 anos e deixa três filhos, dois netos e um legado que se confunde com a história da própria TV brasileira.

- Publicidade -

Nascido em 9 de janeiro de 1934, na pequena cidade de Monte Santo, em Minas Gerais, filho de camponeses, mudou-se com a família ainda pequeno para São Paulo, onde foi aprendiz de sapateiro, de alfaiate e de gráfico. Fez teatro infantil e amador e estreou profissionalmente em 1957, no mítico Teatro de Arena, na peça ‘Ratos e Homens’. Depois de uma turnê nacional, decidiu morar no Rio. “Sofri todos os percalços entendendo, mas não concordando, com o preconceito racial, que foi um trauma na minha vida. Assim, o teatro para mim foi a grande salvação”, revelou, certa vez, em entrevista ao site Memória Globo.

Milton participou do primeiro elenco de atores da Globo. Ele chegou à emissora a convite do ator e diretor Otávio Graça Mello, de quem fora companheiro de set no filme ‘Grande Sertão’ (1965), dos irmãos Geraldo e Renato Santos Pereira. Dirigido por Graça Mello, participou das primeiras experiências dramatúrgicas da Globo: o seriado Rua da Matriz, de Lygia Nunes, Hélio Tys e Moysés Weltman, e a novela ‘Rosinha do Sobrado’, de Moysés Weltman.

Estreou como diretor de TV na novela ‘Irmãos Coragem’ (1970), de Janete Clair, um marco da televisão brasileira. A partir daí, esteve em várias produções icônicas da emissora: foi o Professor Leão do infantil ‘Vila Sésamo’ (1972); o médico Percival, de Pecado Capital (1975); o Filé, de ‘Gabriela’ (1975), de Walter George Durst; dirigiu os primeiros capítulos da novela ‘Selva de Pedra’ (1972), de Janete Clair; e, em ‘Roque Santeiro’ (1985), de Dias Gomes, interpretou o promotor público Lourival Prata. Também trabalhou em minisséries como ‘Tenda dos Milagres’ (1985), adaptação do romance de Jorge Amado por Aguinaldo Silva; ‘As Noivas de Copacabana’ (1992), de Dias Gomes, Ferreira Gullar e Marcílio Moraes; em ‘Agosto’ (1993), adaptação da obra de Rubem Fonseca por Jorge Furtado e ‘Giba’, de Assis Brasil; e em ‘Chiquinha Gonzaga’ (1999), de Lauro César Muniz, deu vida ao maestro Henrique Alves de Mesquita.

Por conta de sua marcante atuação como Pai José, Milton esteve nas duas versões de ‘Sinhá Moça’: na original (1986) e no remake (2006), pelo qual foi indicado ao Emmy Internacional como melhor ator. Na cerimônia de entrega, Milton Gonçalves apresentou o prêmio de melhor programa infantil/adolescente ao lado da atriz Susan Sarandon. Foi a primeira vez que um brasileiro apresentou um Emmy Internacional.

Milton também participou de uma vasta e diversa produção cinematográfica. Foram mais de 50 títulos como ‘Cinco Vezes Favela’ (1962), ‘Gimba, presidente dos Valentes’ (1963), ‘A Rainha Diaba’ (1974), ‘O Beijo da Mulher Aranha’ (1985), ‘O Que É isso, Companheiro?’ (1997), ‘Carandiru’ (2003), ‘Xuxa e o Tesouro da Cidade Perdida’ (2007). Em 2008, interpretou o personagem Romildo Rossi, um político corrupto, em ‘A Favorita’, de João Emanuel Carneiro, atualmente no ar na TV Globo, no ‘Vale a Pena Ver de Novo’. No filme ‘Segurança Nacional’ (2010), fez o papel do primeiro presidente negro da história do Brasil.

Em 2011, Milton Gonçalves trabalhou na novela ‘Insensato Coração’, de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, como Gregório Gurgel. No ano seguinte, voltaria a atuar numa trama de época, ao interpretar o Afonso Nascimento em ‘Lado a Lado’, novela de João Ximenes Braga e Claudia Lage, que ganhou o prêmio Emmy Internacional. Participou ainda de ‘Pega Pega’ (2017), como Cristovão, e de ‘O Tempo não Para’ (2018), como Eliseu.

Paraquedista, pirófago (engolidor de fogo), mecânico, Milton viveu muitas vidas em uma carreira com papéis de destaque por todas as áreas e gêneros da dramaturgia – da comédia ao drama, emocionou, fez rir e ecoar sua voz contra o racismo. Em 2019, atuou na minissérie ‘Se eu Fechar os Olhos Agora’, da Globo Now, inspirada na obra homônima de Edney Silvestre. No mesmo ano, encarnou o aposentado Orlando, que com a ajuda da neta Letícia (Gabriely Mota) se tornava Papai Noel, do especial de Natal ‘Juntos a Magia Acontece’. “Estar aqui e fazer esse personagem me emociona. É uma batalha de muitos anos, de séculos. A gente tem que eliminar o medo, tem que batalhar. Vou fazer o melhor Papai Noel que eu puder”, celebrou ele, com uma alegria quase juvenil na época das gravações.

- Publicidade -