Olá, internautas

- Publicidade -

Nesta segunda-feira (27/04), “BBB20” chegou ao fim. Thelma Regina consagrou-se como a grande vencedora com 44,10% da votação. Rafa Kalimann ficou em segundo lugar com 34,81% dos votos. Manu Gavassi terminou em terceiro lugar com 21,09%.

Thelma repetiu o mesmo fenômeno de Gleici Damasceno que venceu o “BBB18”. Duas mulheres pretas que conseguiram mobilizar parte dos telespectadores engajados em movimentos sociais e que lutam pela representatividade. Thelma não protagonizou o reality. Não encarnou a figura de uma jogadora. Ela se transformou em símbolo de uma causa e mobilizou seu “eleitorado”.

A vigésima edição ficará marcada pelo duelo entre homens e mulheres. Petrix, Hadson, Lucas Gallina e Felipe Prior personificaram a imagem de vilões. Marcela e Gizelly confrontaram os “boys” e, logo no início da competição, ganharam destaque. Porém, as duas “bombas” vindas da Casa de Vidro arruinaram suas pretensões.

O telespectador errou ao escolher a dupla Daniel Lenhardt e Ivy Moraes. A mineira foi acusada de racismo e só gritava pela casa. Já o gaúcho, que encarnava a imagem de militante, demonstrou falta de coletividade no confinamento. Colou em Marcela que seria a favorita naquela ocasião.

O ginasta Petrix saiu queimado do reality. Ostentará por algum tempo uma imagem ruim. Exposição maléfica. Felipe Prior conseguiu arregimentar para si um fã-clube que valorizou o seu lado “jogador” na casa. Ao mesmo tempo, também conquistou expressiva rejeição diante de sua postura exacerbada.

Pyong Lee incorporou a figura de jogador. Porém, também contraiu rejeição pela sua postura com as mulheres na casa, mesmo sendo casado e com a esposa grávida “aqui do lado de fora”, e pela soberba apresentada em determinadas situações.

Babu Santana liderou o discurso militante que desaguou na vitória de Thelma. Teve a má sorte de enfrentar as três torcidas juntas de Manu, Rafa e Thelma na semifinal. Porém, o ator transmitiu uma imagem de rabugento e de fumante inveterado. Apresentou dificuldades de relacionamento.

Manu Gavassi passou uma imagem singular no confinamento. Doce. Talentosa. Carismática. Aproveitou bem a exposição e deverá colher bons frutos em sua carreira artística. Rafa Kalimann transmitiu sobriedade no jogo. Mais racional que emocional.

Flayslane ficará lembrada pelos “porres” nas festas. Até urinou pelas dependências da casa mais vigiada do Brasil. Usou o “BBB20” como trampolim para sua carreira como cantora. E também será lembrada pelo discurso entoado pela Rafa: “Não gosto de você, não sinto verdade em você, acho você, sim, incoerente, você está onde te convém, em todos os seus jeitos, falas, andados, posicionamentos e etc, acho você uma falsa, acho você extremamente sem educação, extremamente grossa com as pessoas, extremamente soberba”. Fogo no parquinho.

Já Bianca Andrade, Guilherme Napolitano, Gabi Martins e Victor Hugo serão lembrados pelo “quadrado amoroso”. Mari Gonzalez ficou escondida no jogo.

Tiago Leifert sobressaiu no comando. Rafael Portugal também foi uma grata surpresa com o quadro CAT BBB. O comediante trouxe boas tiradas. Todas as peças se encaixaram no “BBB20”. Até mesmo o programa “BBB – A Eliminação” no Multishow e a Rede BBB na web com Vivian Amorim, Titi Muller, Bruno de Luca, Fernanda Keulla e Ana Clara. O jogo aconteceu. A edição termina como a segunda melhor da década, somente atrás do “BBB18”. Missão cumprida.

Fabio Maksymczuk

- Publicidade -