- Publicidade -

Quase todos os museus são criados para abrigar acervos materiais, obras, objetos, documentos. Mas, no caso do Museu da Pessoa, o acervo é composto por histórias de vida que são coletadas e disponibilizadas na internet. Colaborativo e virtual desde a sua criação em 1991, ele conta com mais de 18 mil depoimentos e cerca de 62 mil fotos e documentos.

- Publicidade -

Convidados pela fundadora do museu, Karen Worcman, e pela produtora Minom Pinho, cinco documentaristas — Marcelo Machado, Marco Del Fiol, Pedro Cezar, Tatiana Toffoli e Viviane Ferreira — mergulharam nesse vasto acervo de histórias de brasileiros ali reunidas para propor releituras autorais e temáticas. Esse esforço resultou no documentário “Pessoas — Contar Para Viver”, que estreia no Curta!.

Entre as histórias de vida que se entrelaçam no longa, estão as dos próprios realizadores do documentário e as de outros tantos brasileiros, como o navegador Amyr Klink, que cruzou o Oceano Atlântico em uma canoa, Tula Pilar, empregada doméstica que se tornou poeta, o premiado educador Paulo Freire e o escritor Kaká Werá, que se descobriu indígena quando entrou na escola.

Concluído em 2019, o filme faz uma reflexão importante para o atual momento de crise política e pandemia no Brasil. “As histórias presentes no filme revelam um Brasil desigual, injusto, racista e excludente. No entanto, revelam também a força de vida e a humanidade presentes em pessoas hoje silenciadas, como indígenas, empregadas domésticas, jovens vítimas de abuso sexual, entre outros”, afirma Karen. Nesse sentido, o longa traz uma reflexão atual para um país que hoje tem suas fraturas sociais expostas à luz da pandemia.

“Pessoas — Contar Para Viver” estreia dia28 de maio, às 22h15 no canal Curta!.

- Publicidade -